Vocação-escrever

Como descobrir a sua vocação e unir paixão e talento

Como descobrir a sua vocação e unir paixão e talento

Quando descobrem que eu tenho eu tenho dois blogs e ainda trabalho 5 dias por semana com jornada de aproximadamente 8 horas diárias, algumas pessoas vão logo dizendo: como você dá conta? Não cansa? Bom, eu respondo que escrever é uma paixão e gosto tanto que nem vejo o tempo passar. Mas e você , qual a sua vocação? Você quer encontrá-la?

Você ama o que faz ou tenta?

Muitos estão satisfeitos com uma vida que parece mera existência. Figuram em mundo onde ajudam a realizar os desejos e sonhos dos outros por intermédio do próprio trabalho, mas não possuem tempo nem recursos para realizar os seus.

Acostumam-se a chegar em casa de um trabalho no qual não sentem prazer e só causa estresse, mas claro, paga as contas. Essa é a realidade de muitos brasileiros. Não há nada de errado em pagar as contas, eu também possuo um trabalho formal para isso.

O meu trabalho

Mas o meu trabalho formal já me concedeu problemas musculares, bruxismo e depressão. Você pode pensar que o detesto. Mas não. Eu gosto muito do que faço, mas não onde faço. Sou professora de uma escola pública  e confesso que tem sido cada vez mais difícil permanecer onde estou.

O trabalho é muito pesado. Tenho que preparar aulas para onze turmas: Cinco de Língua Portuguesa, Cinco de Redação e uma de Formação para Cidadania. Eu que sou mais propensa à Literatura preciso me virar nos trinta para dar aula de gramática e redação. Sou cobrada por resultados que não dependem somente de mim e lido com pessoas bem complicadas.

O meu esgotamento

ESGOTAMENTO

Tudo isso me fez entrar em um estado insustentável ano passado e acabei ficando quatro meses afastada por esgotamento físico e psíquico.

O motivo? Quis fazer um bom trabalho, mas sem recursos para tal, sem tempo adequado para planejar as aulas me sobrecarreguei. Mas eu estava aguentando o esgotamento físico, levando numa boa todo o trabalho e organizando tudo para dar conta, até que veio o esgotamento psíquico quando um aluno gritou comigo e me afrontou em sala de aula.

Eu me perguntei se havia me dedicado tanto para receber em troca tamanha falta de respeito. Eu me vi desmotivada, desmoralizada e sem vontade de trabalhar. Sei que muitos professores como eu compartilham dessa mesma realidade.

Você ama o que faz?

Eu cheguei a uma conclusão depois desses acontecimentos. Nem sempre por sabermos fazer algo ou por o fazermos bem isso significa que tal profissão é a nossa paixão.

Como já dizia Confúcio: “Escolha um trabalho que você ame e não terá de trabalhar um único dia de sua vida”

O que o filósofo quer dizer não é que não dará trabalho, mas que você nem sentirá o tempo passar, você ficará satisfeito com o resultado da obra de suas mãos porque aquilo o faz feliz.

O meu trabalho atual não é a minha paixão, não pelo que faço, mas onde faço (embora ensinar pessoas seja), mas conseguiria realizá-lo melhor se o meu público em sua maioria (os alunos) quisesse de verdade ouvir o que tenho a dizer. Embora não seja minha paixão trabalhar numa escola pública, eu faço com responsabilidade. Mas estou de olho em outras possibilidades. Quero ensinar outras coisas, aprender novas habilidades e compartilhá-las com quem deseja recebê-las.

A diferença entre fazer o que ama e suportar o que faz

TÉDIO

No momento eu estou lendo o livro “Encuentra tu elemento” de Ken Robison, e no primeiro capítulo ele descreve bem essa relação de trabalhar com o que ama e com o que você suporta.

Ele conta que sua esposa sabia exatamente o que ele tinha feito durante um dia de trabalho só pela sua fisionomia. Se ele estivesse sido submetido a trabalhos rotineiros em reuniões com diretoria ou na parte administrativa, sua aparência envelhecia 10 anos. Porém se estivesse falando para pessoas, ensinando ou dirigindo uma peça (coisas que ele amava fazer) parecia dez anos mais jovem.

Estar dentro da sua vocação, do seu elemento, como diz Ken Robinson lhe dá energia, fazer o contrário , a suprime.

Vocação é bem diferente de fazer algo muito bem

Encontrar sua vocação é muito mais do que se dedicar a algo que você sabe fazer bem. Vai além. Não é apenas ser bom em algo é fazer aquilo com paixão , é entrar num estado de fluxo , estado esse em que nem  vemos o tempo passar e  temos  aquela sensação de realização ao término da atividade

“Quando se está na sua vocação, o seu sentido de tempo varia. Quando você faz o que gosta, uma hora pode durar cinco minutos; se for o contrário cinco minutos podem durar uma hora” Ken Robinson

Em português esse livro (no momento) está  livro está esgotado em várias livrarias . Mas talvez você encontre em algum sebo virtual. Se desejar ler em espanhol você pode conferir a versão para Kindle aqui. Se não tiver um Kindle e só instalar o app no seu smartphone e comprar o livro por lá.

Quando temos vários interesses a coisa complica

Sempre fui uma pessoa de vários interesses e isso causou uma certa dificuldade na hora de escolher algo que realmente fosse minha paixão, pois eu me empolgava com facilidade com atividades novas que fosse capaz de desempenhar.

Gostava de desenhar, pintar. Aprendi a costurar cedo. Aprendi sozinha a tocar violão. Eu lembro que mentalizava como era tocar quando tudo que eu tinha era apenas uma daquelas revistas de cifras que compramos em livrarias. Mais tarde meu pai presenteou a mim e meu irmão com o primeiro violão.

Posso conseguir fazer muitas coisas diferentes, ser boa em muitas delas, mas não significa que devo fazer todas elas ou ainda que vá fazer todas elas com paixão.

Hoje compreendo isso e sei que minha paixão é a comunicação e quero exercê-la através dos meus blogs, que são uma ferramenta com a qual alcanço muitas pessoas . Quero compartilhar o conhecimento que adquiro através do que escrevo, dando aulas também, mas para quem deseja ouvir, para quem de verdade deseja aprender.

 

Para achar a sua vocação é necessário silenciar

Para encontrar o seu elemento, a sua vocação, é necessário silenciar. Silenciar os de fora e você mesmo. 

Não devemos ser o produto de outros

Quando me refiro a silenciar os de fora quero dizer  não ser o  que os outros esperam que você seja. As pessoas possuem muitas expectativas acerca nós e ,às vezes, nem nos perguntam se realmente queremos isso ou aquilo.

Simplesmente acham que será melhor para nós se formos aquilo que elas desejam. Quando escutamos demais os anseios alheios deixamos de prestar atenção aos nossos e acabamos perdendo nossa identidade. Ficamos confusos e sem direção.

Silenciar a si mesmo

Já quando me refiro a silenciar a si mesmo, quero dizer que precisamos parar um pouco e ficar um tempo sozinhos. Ver quem somos quando ninguém está olhando, julgando e criando expectativas acerca de nós.

Para isso eu uso a oração. Outros preferem a meditação. Quando eu oro e me conecto com Deus eu peço para Ele que me mostre quem eu sou. Isso tem me revelado muita coisa. Comecei também a meditar e vi que é incrível como uma prática tão simples pode trazer tantos resultados bons.

Comece a descobrir

plano de ação

Que tal começar hoje a descobrir qual é a sua real paixão (ou paixões)? Com papel e caneta em mão faças uma tabela de duas colunas. Nomeie-as de coluna 01 e 02. Na coluna 01 escreva as atividades que mais o deixam feliz. Seja honesto.

Na outra coluna anote aquilo que o leva ao tédio, à impaciência e também aquelas atividades que você não se vê fazendo.

Refine seus achados eliminando o que gosta menos dentro da lista de predileções e o que mais te chateia na lista daquilo que você não gosta.

Agora você tem em mãos algo que pode ajudá-lo a traçar um plano de ação. Se o seu trabalho atual contém mais elementos da lista 02, provavelmente você suporta o que faz porque precisa dele.

O meu conselho é: trace um plano de mudança de carreira ao poucos. Faça cursos, enriqueça seu currículo, mostre aos outros que você é bom naquilo que ama fazer. Será impossível não notá-lo.

Quando você menos esperar estará não apenas pagando as contas, mas trabalhando com brilho nos olhos, com paixão.

Se você têm vários interesses , assim como eu, e acha que não enquadrará muito bem em algo muito específico, convido-lhe a ler um outro artigo que fala sobre os Multipotenciais. Sim, você pode ter mais de um chamado, o que você nunca deve ter é falta de foco. Desejo muito sucesso nessa jornada! Grande abraço!

 

 

 

No Comments

Deixe seu comentário!