capa quanto custa o seu design

Quanto custa o seu design? Veja como calcular o seu trabalho

Compartilhe!

Quanto custa o seu design? Veja como calcular o seu trabalho

A diferença entre um bom e mau design é que um mau design pode puxar o seu negócio para baixo. Por mais que as pessoas procurem um bom conteúdo, o design é sim importante e faz muita diferença na apresentação daquilo que você tem para oferecer, seja um produto físico ou virtual, o design torna a apreensão do conteúdo muito mais agradável.

No livro Design emocional, o autor cita o exemplo do Mini Cooper S. , um carro da BMW. O New York Times escreveu algo que ilustra bem a questão do design e como emoções e cognição andam juntas:

“Não importa a opinião que se tenha dos atributos dinâmicos do Mini Cooper, que variam de muito bons a mínimos; é justo dizer que quase nenhum novo veículo , de que, recentemente, se tenha lembrança, provocou mais sorrisos”

O carro é tão divertido de olhar e de dirigir que o autor do artigo do N.Y.T sugere que ignoremos os seus defeitos.

Mas quanto custa o seu design e por que é tão difícil fazer com que as pessoas paguem o real valor pelo seu trabalho?

Todo  mundo pode ser designer?

Bom, hoje muitos se intitulam designers e isso sem formação nenhuma . Não basta apenas saber desenhar uma coisinha aqui e ali ou mexer no photoshop. É necessário formação na área ou experiência no ramo.

Ser designer envolve também ter conhecimentos técnicos e não apenas práticos. É preciso saber como se comportam as cores, por exemplo e não apenas sair jogando o que você acha que fica bom. Cada produto tem sua intenção e a cor é uma das coisas que comunica muito sobre ela.

Embora eu tenha citado aqui o Photshop, que é muito usado por designers gráficos, há vários outros designers: Design de Interfaces, Web Design, Design de Games, Design de Interiores, Design de Produto, Design de Moda, Design Automotivo…

Bom, mas quanto cobrar pelo seu trabalho?

Para precificar o seu trabalho você terá que considerar alguns itens. Mas antes de começar a falar sobre eles gostaria de fazer uma diferenciação necessária entre duas coisas: valor e custo.

Custo significa tudo aquilo que você precisa lançar mão para executar um projeto e que não venha a deixá-lo no prejuízo. Já o valor diz respeito a quanto vale o projeto em termos de patrimônio para o cliente.

O valor depende de muitas variáveis, como o mercado em que o cliente atua, o porte do cliente, as características do segmento em que está inserido o produto ou o serviço…Essa é umas das causas de haver tanta variação de preço dentro do mercado de design.

Agora vamos aos itens que devem ser considerados na hora de compor o preço de alguns projetos:

1 – Complexidade do trabalho

É um dos fatores mais importantes na hora da composição do preço e é determinado pela complexidade inerente ao projeto.

Vejamos um exemplo: O design de um convite para um casamento é algo relativamente simples de se fazer ao passo que a identidade visual de uma empresa já exige maior envolvimento.

2 – Complexidade do mercado do cliente

Se o cliente está inserido em um mercado de alta concorrência, a sua responsabilidade com o projeto por ele solicitado será imensa. Se o produto da concorrência possui embalagens profissionais não adianta querer competir com um design amador.

3 – Porte do cliente

O cliente é pequeno, médio ou grande? A responsabilidade do design é proporcional ao porte do cliente. Isso não significa que se o cliente for pequeno o trabalho será feito de qualquer maneira, isso quer dizer que as cobranças serão maiores caso o cliente seja maior. Por isso não arrisque fazer algo que você não domina.

4 – Natureza do cliente

Quem é o seu cliente? Se for uma empresa mais voltada para o lado comercial, o designer tornar-se-á corresponsável pelo sucesso do projeto ou pelo seu fracasso. O grau de exigência do cliente nesse segmento é maior.

Já se o cliente for uma instituição que não explorará comercialmente o projeto, o grau de exigência é menor, embora isso não signifique que o trabalho deva ser feito de qualquer maneira.

 

5 – Exposição do projeto

Onde estará o seu projeto? Será veiculado para um número considerável de pessoas através da propagação em diferentes mídias? Vejamos um exemplo prático. Um designer que idealizou e executou a identidade visual de um blog. Tal projeto não ficou muito agradável.

O designer não soube utilizar as cores com sabedoria e ainda fez o logo de forma totalmente inapropriada. Pessoas visitarão esse blog, pessoas verão esse projeto e o considerarão tosco. Essa é uma péssima forma de começar.

Lembro que vi na internet há algum tempo, um site que prestava consultoria para blogs no que diz respeito à produção de conteúdo e design. Mas o aspecto visual do referido blog, que inclusive foi feito de forma tosca no Wix , era terrível. Eu não queria sinceramente que meu blog fosse assessorado por pessoas que não têm a mínima noção do que estão fazendo.

Quando fizer qualquer coisa, mostre que você sabe o que está fazendo, do contrário não passará autoridade. Tenha , sinceramente, vergonha de expor trabalhos medíocres como se fossem profissionais.

6 – Custo/ hora do seu trabalho

design

Bom, mas quanto cobrar pela hora trabalhada? Dependendo de onde você faça esse projeto, alguns itens precisam ser incluídos na hora de precificar o seu trabalho.

Não esqueça de incluir despesas com energia elétrica. Para isso pegue a sua conta de luz e divida pelas horas trabalhadas. Acrescente o custo ao projeto, não importa se você trabalha no seu home office ou no seu escritório.

Despesas com livros utilizados para pesquisa e desenvolvimento do projeto também devem ser consideradas.

Se você exerce uma atividade remunerada formal e paralela a isso faz alguns trabalhos como freelancer na área de designer incremente a sua hora levando em conta os seus vencimentos.

Um exemplo: Se você ganha R$2.000,00 por mês, não é justo que você passe o sábado inteiro trabalhando num projeto e cobre menos de R$100,00 por ele. Considerando que você trabalhe oito horas por dia e dividindo os seus dois mil por 20 ( se você trabalha de segunda à sexta) , você recebe , portanto, R$100,00 por dia. Dividindo isso em horas, você ganha R$12,50 por hora.

A esse valor acresça custos como os já citado acima. A hora do sábado é mais cara portanto considere ajustá-la.

Procure sempre a tabela referente ao seu ramo de atuação e calcule os custos do seu trabalho. Lembre sempre que há casos e casos. Não queira cobrar valores altíssimos se você está começando agora, mas também não nivele o seu preço por baixo.

Lembrando que esse é apenas um norte caso você não saiba por onde começar, mas cada projeto tem o seu preço. A sua autoridade no assunto, o seu conhecimento e o valor que você dá ao seu trabalho, determinarão o preço final.

7 – Cobrança das variantes

Delimite bem o seu projeto, caso contrário terá um cliente importunando a cada coisa que ele julgar que merece alteração. Estipule um preço fixo para um determinado serviço:

Serviço 01: Identidade visual da marca;

Serviço 02: confecção do cartão de visitas

8 – O cliente apressado

Se o cliente tem urgência na execução do projeto, o preço deve ser maior, pois a mobilização de pessoas, tempo e recursos para a realização do mesmo são maiores.

9 – A experiência do designer

O preço também varia em função da experiência do designer. O valor de um trabalho do seu primo que aprendeu a mexer no Photoshop sozinho é diferente do valor de quem se especializou, terminou uma graduação, fez cursos técnicos e afins.

10 – Outros custos

Alguns serviços precisam ser terceirizados. Um exemplo é a impressão de produtos. O cliente solicita um cartão de visitas e pede que este seja entregue pronto, impresso, pois o mesmo não tem tempo de enviar e buscar o pedido.

Considere colocar nos custos, gastos com transporte para ir até a gráfica por exemplo, o seu tempo também deve ser incluindo. Baseie-se na sua hora trabalhada para estipular esses valores.

11 – Preços praticantes no mercado

Por fim, para saber quanto cobrar pelo seu trabalho, leve em conta também os preços praticados pelo mercado. É claro que você não irá cobrar logo de cara o mesmo que uma agência de grande porte cobra, tenha bom senso.

Que tal criar o seu portfólio

Bom agora que você já tem uma ideia de quanto cobrar pelo seu trabalho, está na hora de valorizar o seu conhecimento e a sua formação. Que tal começar um portfólio com os seus principais projetos? Não se intimide com os preços baixos que são cobrados por aí. Ofereça seriedade e trabalhe com responsabilidade.

Palavra do dia: Quem lavra sua terra terá comida com fartura, mas quem persegue fantasias se fartará de miséria. Provérbios 28:19

 

2 Comments

  • Reply Gabriele Fevereiro 1, 2017 at 6:11 pm

    Excelente post Dani. Muito claro, inclusive!

    Eu mesma não entendo nada dessa área, por isso valorizo quem trabalha, melhor ainda quando é um preço justo! sijsaisjaisajisaj

    • Reply Daniele Leite Fevereiro 2, 2017 at 1:10 am

      O preço sempre deve ser justo e proporcional ao trabalho, mais importante ainda é nunca pegar um trabalho que não se domina.

    Deixe seu comentário!