criatividade

Por que criatividade é melhor do que diploma

Compartilhe!

Por que criatividade é melhor do que diploma

Você já deve ter conhecido alguém na vida que nem sequer terminou o ensino médio, mas fatura uma boa grana vendendo alguma coisa em seu negócio. E provavelmente, também conhece alguém que cursou uma boa faculdade, fez uma especialização mas apesar disso, está desempregado.

Se a educação (escolar e universitária) é tão importante, porque ela não é garantia de sucesso profissional e financeiro?

O empresário e escritor Robert Kiyosaki, fala no seu livro best seller Pai Rico, Pai Pobre, sobre como certos conhecimentos e habilidades que levam as pessoas a serem bem sucedidas financeiramente, não são aprendidos na escola.

Que conhecimentos são esses?

conhecimento

São conhecimentos como educação financeira, iniciativa empreendedora, capacidade de liderança, comunicação, relacionamento interpessoal, de aprender com os próprios erros, de enxergar oportunidades nos problemas e principalmente, criatividade.

Todos conhecemos, mesmo que seja apenas por meio da mídia, histórias de diversos empreendedores, inventores e artistas que não tiveram uma educação formal ou abandonaram os estudos, mas mesmo assim foram extremamente bem sucedidos. De Thomas Edison à Steve Jobs, de Barão de Mauá à Silvio Santos.

As escolas convencionais não preparam você para o sucesso

O fato é que as instituições convencionais de ensino (escolas e universidades) não preparam as pessoas para a vida, em especial, para uma vida de realização profissional e sucesso financeiro.

Isso porque, na era industrial, o papel da escola era apenas formar mão de obra para as indústrias e não pessoas críticas, questionadoras, criativas e autônomas.

Nós nascemos criativos, mas …

criatividade

Todos nascemos criativos e curiosos, mas a verdade é que a escola sufoca essa capacidade e molda todos igualmente para serem empregados e meros consumidores, em vez de protagonistas das suas próprias vidas.

Isso sempre foi especialmente difícil para aqueles que são curiosos e criativos, com aptidão para artes, ciências e empreendedorismo. Pessoas com esse perfil, gostam de questionar, investigar, criar e se sentem terrivelmente frustradas e entediadas em decorar fórmulas, seguir regras sem sentido e executar tarefas rotineiras.

A escola mata a criatividade ao invés de incentivá-la. E isso não é apenas uma opinião minha.

Ken Robinson, um dos maiores experts do mundo em criatividade, nessa palestra no TEDx diz que as escolas acabam com a criatividade e que o sistema educacional não foi desenhado para encorajá-la. Educadores e Cientistas brasileiros também fazem a mesma crítica.

Porém, uma nova revolução industrial está começando e, diferentemente das anteriores, ela exigirá mais do que nunca, capacidade de criatividade e inovação, tanto por parte dos indivíduos quanto das instituições. Isso porque as tarefas rotineiras e operacionais serão em breve, executadas por robôs e softwares.

A quarta revolução industrial

tecnologia

Essa é a chamada Quarta Revolução Industrial ( que será o assunto do nosso próximo post) e a previsão acima é do professor e chairman do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab.

Agora vamos pensar: se as escolas e universidades, com esse tipo de sistema de educação do qual estamos falando, não foram determinantes para o surgimento de inúmeros empreendedores ao redor do mundo ao longo dos últimos séculos (esse sistema de ensino tem pelo menos 300 anos), muito menos será relevante diante das mudanças que irão ocorrer.

Como se preparar?

Para se preparar para o que vem por aí,  primeiro é preciso reconhecer que as instituições de ensino convencionais não companham o ritmo do mercado e muito menos estimulam a criatividade e empreendedorismo. Depois é necessário buscar aprender sobre essas aptidões e desenvolvê-las. Sugiro a você que está começando nessa jornada a leitura do livro Libertando o Poder Criativo, de Ken Robinson, que comprei na Amazon. (Veja aqui)

Conhecimento continuará sendo algo importante, principalmente com relação ao domínio de tecnologias. Mas conhecimento sem criatividade, geralmente não destaca ninguém na multidão.

Criatividade e iniciativa empreendedora sempre foram os maiores ativos de pessoas bem sucedidas. Não é  à toa que Albert Einstein dizia que a imaginação é mais importante do que conhecimento. E nessa nova revolução industrial, será muito mais.

Não quero dizer agora que você deva largar a faculdade e passe a viver deitado na grama imaginando apenas, mas que não despreze o poder da criatividade, pois é ela quem fará toda a diferença nesse mundo cada vez mais automatizado.

Compartilhe esse post com seus amigos mais queridos. Curta o Emprelas na Redes Sociais! Grande abraço!!

Facebook|Instagram|Twitter

 

No Comments

Deixe seu comentário!